Crescemos ouvindo que amplificadores valvulados são os melhores e leva tempo até entendermos as razões que fazem com que praticamente todos os seus ídolos usem valvulados ao invés de transistorizados. Dessa forma, o sonho de ter um aumenta até que chega uma hora que é possível realizá-lo. Aí pesquisamos e muitas dúvidas surgem… alguns mitos e algumas verdades. Preparei esta matéria com a intenção de ajudar você a entender o que é preciso primeiramente para se escolher e, posteriormente, para manter em bom funcionamento um amplificador valvulado, o sonho de todo guitarrista!

 

Como sei qual o melhor pra mim em termos de timbre?

É muito subjetivo, então cada pessoa tem uma preferência, ou mais de uma até. Se for para simplificar MUITO, em síntese, podemos dividir os timbres em duas categorias: Californiano e britânico. Dento de cada categoria temos várias marcas:

  • Californiano: Fender, Mesa/Boogie, Dumble
  • Britânico: Marshall, Vox, Orange

Cada marca possui diversos modelos:

  • Fender: Vibrochamp, Blues Júnior, Bassman, etc…
  • Mesa/Boogie: Mark V, Nomad, Heartbreaker, Triple Rectfier, etc…
  • Marshall: JCM800, Plexi, JTM45, etc…

E cada modelo possui suas diferenças de timbre, mas se você não está familiarizado com os timbres, comece a observar as diferenças entre as duas categorias principais que mencionei: Californiano e britânico. Algumas bandas e artistas usam ao mesmo tempo várias marcas e modelos de amplificadores valvulvados, cada uma para um uso diferente, aproveitando o que eles têm de melhor. Por exemplo, usando um Fender Vibrochamp para sons limpos e um Marshall JCM800 para drives. Mas muitos também são fiéis a uma marca e até mesmo a um modelo.

 

Válvulas de pré e power de um Mesa/Boogie
Válvulas de pré e power de um Mesa/Boogie

O que torna o som de um valvulado melhor do que um transistorizado?

As válvulas enaltecem os harmônicos pares da série harmônica, que é o componente de qualquer timbre, incluindo o timbre de sua guitarra. Estes harmônicos pares são mais agradáveis ao ouvido humano do que a mistura de harmônicos pares e ímpares que é enriquecida pelos transistores. Costumo dizer que esta é uma explicação que não explica porquê, a não ser que você saiba o que é série harmônica e seus harmônicos, ela não ajuda muito a entender o que torna o valvulado melhor, mas é a melhor explicação falando da parte técnica. Falando de forma artística, o valvulado tem o som mais quente, mais orgânico, em contrapartida ao som frio de um transistorizado.

Cadastre-se para receber as novidades!

Não se preocupe que não enviaremos spam!

Mais pesado para transportar?

Sim, se você comparar dois amplificadores de mesma potência, um valvulado e outro transistorizado, o valvulado será mais pesado, principalmente pelos transformadores utilizados.

 

Pra quê duas chaves para ligar?

São duas chaves, normalmente “Power” e “Stand By”. Você deve ligar a chave Power primeiro e aguardar alguns minutos (o tempo exato é controverso, há quem diga que não são necessários mais do que 30 segundos) para a baixa voltagem aquecer as válvulas e só então ligar a Stand By que deixará a alta voltagem passar. A intenção é prevenir danos às válvulas ao receber alta voltagem ainda frias e aumentar a vida útil das mesmas. Enquanto a chave Stand By estiver desligada, nenhum som é gerado pelo amp.

Alguns amplificadores valvulados possuem apenas chave liga/desliga, não necessitando da chave “Stand By”.

 

E na hora de desligar?

O indicado é desligar primeiro a chave Stand By, aguardar alguns segundos e posteriormente desligar a chave Power. Alguns afirmam ser possível desligar as duas chaves de uma vez sem danos ao amp. Por precaução eu prefiro a primeira opção.

 

Válvulas podem quebrar quando transportadas ainda quentes.

Como o vidro delas dilata com o calor gerado pelo amplificador, ele fica mais frágil enquanto quente. É recomendado que as espere esfriar antes de mover o amp. Caso não seja possível esperar, evite movimentos bruscos e pancadas para não quebra-las.

 

Tipos de válvulas

Antes de mais nada é importante saber que existem válvulas de pré-amplificador e de power. Falando de forma MUITO geral as de pré são responsáveis pelo timbre e ganho (bem como, claro, todo o projeto). As de power são responsáveis pelo volume. Lembrando que estou falando de uma forma MUITO geral pois os ganhos das válvulas de pré irão interferir no volume, principalmente no som limpo (no drive terá mais ganho ou menos ganho) e as de power também imprimem uma característica marcante ao timbre.

 

Válvulas de pré-amp

3 válvulas 12ax7: Uma Electro-Harmonix, uma Mullard e uma RCA
3 válvulas 12ax7: Uma Electro-Harmonix, uma Mullard e uma RCA

Dentro da categoria de pré, temos vários tipos. Os mais conhecidos são da família 12ax7 e suas variantes 12au7, 12at7, 12ay7, etc. O que muda entre elas é basicamente o ganho. A 12ax7 tem 100% de ganho, enquanto a 12at7 tem 60% de ganho, a 12ay7 tem 45% de ganho, a 12av7 tem 40% de ganho, a 12au7 tem 20% de ganho (valores aproximados)… Veja aqui um vídeo mostrando a diferença de ganhos entre as válvulas!

Nos muitos testes que já fiz até hoje eu identifico mais diferença de timbre entre marcas (JJ Tesla, Mullard, Electro-Harmonix, Sovtek, etc…) do que entre tipos diferentes de uma mesma marca. Por exemplo: Vejo mais diferença entre uma 12ax7 da Mullard e uma 12ax7 da Sovtek do que entre 12ax7 e uma 12au7 ambas da Mullard. Mas cada pessoa tem uma percepção diferente do som e é importante você mesmo fazer os testes. Lembrando que, entre válvulas de tipos diferentes, há mudança no ganho/volume portanto a diferença que menciono aqui é relativa ao TIMBRE.

 

Válvulas de power-amp

Na categoria de power, temos também vários modelos. Os mais conhecidos provavelmente são as famosas 6L6 e as da família EL (EL34, EL84). As 6L6 são responsáveis pelo som conhecido como “Californiano” uma vez que são comuns em amplificadores construídos naquela região como os clássicos Fender e Mesa/Boogie. As da família EL, por outro lado, são responsáveis pelo som “Britânico” presentes em amps como os também clássicos Marshall, Vox e Orange.

Mesa/Boogie 6L6GC
Mesa/Boogie 6L6GC

É possível que um fabricante que frequentemente usa um tipo de válvula construa modelos de amps com outros tipos. A Mesa/Boogie, por exemplo, que normalmente usa 6L6, tem modelos com as EL. Inclusive há modelos que aceitam os dois tipos de válvulas ao mesmo tempo podendo alterar entre elas através de uma chave comutadora, onde você consegue o melhor de cada universo. Californiano e Britânico, entretanto, são apenas referências sonoras pelos quais os timbres ficaram conhecidos e não se limitam necessariamente à região geográfica onde se localizam as fábricas.

 

A razão para que válvulas diferentes fossem usadas pelos fabricantes de cada região é por quê as 6L6 usadas pela californiana Fender eram muito caras na Grã-Bretanha, portanto Jim Marshall, lendário fundador da empresa batizada com o seu sobrenome, desenvolveu amplificadores com válvulas mais acessíveis em seu país, bem como os demais fabricantes britânicos.

Falando ainda de tipos de válvulas é importante dizer que alguns nomes variam entre os EUA e a Europa. A 12ax7, por exemplo, é chamada de ECC83 na Europa.

 

Parte 2

Na parte 2 da matéria comento se é possível substituir válvulas por tipos diferentes e sobre a potência ideal de amplificadores valvulados além, claro, de muitos outros tópicos importantes. Confira aqui a parte 2!

 

Conheça mais sobre o meu Mesa/Boogie Mark IIB de 1981 aqui!

 

Um abraço do Rei!

11 thoughts on “Amplificadores valvulados – O que preciso saber? Parte 1

  1. Excelente artigo Rei, obrigado por compartilhar seu conhecimento. Tenho um Orange, e agora entendo o que faz a diferença de timbres.

Deixe um comentário