Após uma boa repercussão da primeira parte de “Amplificadores valvulados – O que preciso saber?” (se você não leu ainda, clique aqui antes de continuar), prosseguimos com as coisas mais importantes que você deve saber sobre esses equipamentos dos sonhos de todo guitarrista!

 

Posso trocar por válvulas de tipos diferentes para personalizar o timbre?

Sim, se for as de pré. Assista aqui a um vídeo demonstrando o efeito da alteração de válvulas de pré! Mas, primeiramente, consulte o fabricante e tenha cuidado especialmente com a válvula inversora de fase (se houver). Por outro lado você não pode trocar as de power indiscriminadamente. Algumas válvulas possuem o mesmo soquete, como as 6L6 e as EL34, mas outras usam soquetes diferentes e exclusivos, portanto seria impossível trocar, por exemplo, uma EL34 por uma EL84. Além disso é importante usar um par casado (ou dois pares casados se seu amp possuir quatro válvulas de power) e talvez ajustar o bias.

 

E essa de par casado?

Válvula Retificadora TAD 5Y3GT
Válvula Retificadora TAD 5Y3GT

São válvulas com a mesma transcondutância. Faz mais diferença para as de power. Transcondutância é um termo técnico que ultrapassa os objetivos deste texto. Para nós aqui, basta entendermos que pares casados têm a transcondutância parecidas enquanto válvulas vendidas separadamente provavelmente terão transcondutância diferentes o que poderá impossibilitar um ajuste correto e adequado de bias. Válvulas individuais podem ser arriscadas de comprar pois geralmente são vendidas separadas por não terem encontradas outras para casar.

 

Quem é esse Bias?

Bias é um ajuste que se faz no circuito do amp de acordo com a transcondutância das válvulas. Bias desregulado pode diminuir a vida útil das válvulas e do amp ou ainda danificá-lo. Ao realizar a troca é importante verificar e regular o bias. Alguns fabricantes possuem um sistema de identificação de válvulas com a mesma transcondutância. A Fender, por exemplo, possui três marcações: logo impressa em vermelho, azul e branco (cores da bandeira dos EUA). Dessa forma basta verificar a cor da logo nas válvulas e comprar válvulas de mesmo modelo e cor. Claro, você pode comprar de outras marcas, mas terá que medir e, eventualmente, regular o bias para cada par ou quarteto de válvulas novas que comprar.

Existem modelos de amplificadores que permitem que você use qualquer válvula de mesmo tipo, sem se preocupar com o bias. Consulte o fabricante.

 

Válvulas de pré também têm de ser par casado e mesmo bias?

Par casado nas de pré seria importante apenas se seu amp fosse estéreo.

 

Cadastre-se para receber as novidades!

Não se preocupe que não enviaremos spam!

 

Válvulas duram muito?

De maneira geral sim, mas depende do uso e da qualidade do projeto (amp) e das próprias válvulas. Por ser um produto com pouca demanda hoje em dia (apenas amps de guitarra e alguns aparelhos de estúdio usam válvulas atualmente) não há muito controle de qualidade em algumas empresas, sendo assim, é possível haver variações de qualidade entre um lote e outro de uma mesma empresa. Isso tudo somado ao número de horas de uso, da qualidade do projeto do amplificador, regulagem correta de bias, etc. influenciam na durabilidade das válvulas.

 

Quando sei que devo trocá-las?

A não ser por alguma falha gritante no som, (clique aqui para assistir a um vídeo onde demonstro qual é o som de uma válvula com defeito) você só saberá que está na hora de trocar as válvulas quando resolver testar o amp com válvulas novas e perceber que há variação no timbre que justifique manter as novas no amp. É sempre bom ter válvulas reserva, especialmente se você usa esses amplificadores ao vivo. Uma válvula falha pode comprometer o seu show.

 

Headroom

É a capacidade do amp de permanecer clean (limpo) em altíssimos volumes. As válvulas da família EL tendem a distorcer mais que as 6L6. Por isso um Marshall, por exemplo, tende a distorcer com menos volume (portanto tem menos headroom) enquanto um Fender permanece limpo mesmo em altos volumes (tem muito headroom).

  • Vantagem de amp com pouco headroom: Pra quem usa distorção o tempo todo e quer o timbre da distorção das válvulas de power, que distorcerá sem precisar usar um volume ensurdecedor.
  • Desvantagem de amp com pouco headroom: Som limpo raramente é 100% limpo (a não ser em volumes tão baixos que, dependendo da potência, ninguém o ouviria em um show).
  • Vantagem de amp com muito headroom: Som limpo cristalino mesmo em altos volumes.
  • Desvantagem de amp com pouco headroom: Para se conseguir a distorção das válvulas de power você terá que abrir tanto o volume que, a não ser que vá tocar num estádio, ninguém ouvirá outra coisa além de sua guitarra.

 

Distorção de power

Válvulas de pré e power (as de power são maiores)
Válvulas de pré e power (as de power são maiores)

Quanto mais você aumenta o volume da seção de pré-amp, mais distorção você terá de suas válvulas. E quanto mais volume geral, mais chega a um ponto onde as válvulas de power também distorcerão. Este ponto, e além dele, é o lugar onde acontece a “mágica” de todo valvulado, uma experiência sonora impossível de descrever em um texto, ficando restrito aos que têm o privilégio de sentir este som ao vivo.

O problema é que você dificilmente ouvirá a distorção de amplificadores valvulados de 100w no máximo porquê você provavelmente ficará surdo antes de conseguir chegar lá. Então, neste ponto, pode ser interessante você ter um amplificador menos potente. É muito mais fácil distorcer um amp de baixa potência colocando o seu volume num ponto razoável.

 

Como escolher a potência ideal

Depende do uso a que você destinará um amp. Para tocar em casa, um pequeno amp de 5w pode ser de bom tamanho. Se você faz shows gigantes e toca em estádios, um amp de 100w pode ser interessante. Entre o seu quarto e um estádio há tantas situações possíveis que você deve avaliar as opções entre as mencionadas. O headroom também deve ser levado em consideração. Eu já tive um Fender de 40w que nunca precisei passar do volume 6 mesmo nos maiores shows que toquei. Eu o usava onde precisava de um som realmente limpo e me servia tanto para ensaios quanto para shows. Na época eu tocava com uma banda com outro guitarrista, tecladista, baixista, 3 backing vocals e mais 3 vocais principais que revezavam, ou seja, muita gente tocando ao mesmo tempo e o amp segurava com folga o volume e sem distorcer.

Tenho atualmente um Mesa/Boogie de 100w e, mesmo com a chave alterando para 60w eu nunca passei do volume 5, inclusive nos maiores shows. Penso seriamente em trocar posteriormente para um amp de 25w por ser menor e mais leve de transportar. Este meu pesa aproximadamente 45kg!

Fatores para se levar em consideração na escolha em termos de potência:

  • Uso (quarto/ensaio/show/tamanho de banda)
  • Headroom (mais limpo/mais sujo)
  • Peso (quero minha coluna vertebral inteira por mais tempo/sou forte)

 

Reverb e loop podem ser valvulados

Estes, sendo valvulados, terão um timbre ainda melhor e mais quente. É importante dizer que nem todo amp tem reverb e nem todo reverb é valvulado. O mesmo vale para o loop de efeitos. Somente quando todas as seções são valvuladas podemos então dizer que o amp é 100% valvulado.

 

Valvulados “falam” mais que transistorizados

Um amplificador valvulado de uma determinada potência, digamos, 15w,é absurdamente mais alto que um transistorizado de mesma potência. Sendo assim, um valvulado de 15w pode ser até mesmo mais alto do que um transistorizado de 30, 40 ou 50w (dependendo, claro, do modelo e projeto). Imagine então o que é um amp valvulado de 100w no máximo!

 

Espero que estes textos tenham sido úteis para você entender um pouco mais sobre este universo fascinante. Um aviso importante aqui: Cuidado ao se aprofundar no som dos amplificadores valvulados porque é um caminho sem volta. Depois que se conhece o som deles a fundo, fica difícil tocar em um amp qualquer! Depois não digam que eu não avisei!

Um abraço do Rei!

Agradecimentos ao meu genial e grande amigo Rômulo Carvalho pela consultoria técnica! Muito obrigado!

 

Cadastre-se aqui para receber a newsletter com matérias como esta!

 

Um abraço do Rei!

4 thoughts on “Amplificadores valvulados – O que preciso saber? Parte 2

Deixe um comentário